NOTÍCIAS PARA OS CINCO CONTINENTES

Canoas, 12 de dezembro de 2018.

O PROBLEMA COM O GAMP PODE SER MUITO MAIS SÉRIO

Desde 2017 já haviam sérios problemas na administração da saúde pública de Canoas/RS com o GAMP - Grupo de Apoio à Medicina e à Saúde Pública, como comprova o vídeo ao lado.

Leandro Eugênio Becker, ex-vice-reitor da ULBRA, um dos mandantes do sequestro do diretor geral do Instituto IESES, João Lippert, já podia estar trabalhando com o GAMP. Leandro Eugênio Becker, que já estava indiciado pela Polícia Federal por vários crimes cometidos na administração da Universidade ULBRA.

Clique aqui e veja as matérias do indiciamento de Leandro Eugênio Becker.
Clique aqui e leia o relato do sequestro de João Lippert.

A Prefeitura de Canoas é suspeita de estar envolvida nas fraudes do GAMP. O Ministério Público já apontou que funcionários do GAMP conseguiram cargos através de indicações políticas. O Prefeito, Luiz Carlos Busato, não quis dar entrevista à Televisão TVS, sob alegação de que por conta dos problemas na saúde de Canoas, o mesmo não estaria concedendo entrevistas. Fica a questão, se a negativa da entrevista é somente para a Televisão TVS ou para toda a imprensa.

Clique aqui e leia o e-mail do departamento de imprensa da Prefeitura de Canoas.

A atual Secretária de Saúde de Canoas, afastada do cargo para as investigações, Rosa Maria Groenwald, era responsável pela Vigilância Sanitária de Canoas, quando João Lippert denunciou o vazamento de formol na ULBRA. Em relação àquela denúncia, nada foi feito. Segundo informações de fonte segura, foi a própria Rosa Maria Groenwald que disse ao reitor da ULBRA na época, Ruben Eugen Becker, que ele tinha um inimigo na ULBRA, que seria João Lippert em razão da denúncia do vazamento de formol.

Com base nisto, as palavras de Ruben Eugen Becker em um evento na ULBRA com um pró-reitor de Portugal, que seguem abaixo, eram em relação à João Lippert.

“Trouxeram-me uma notícia hoje que quase caí da cadeira. Temos um inimigo dentro da ULBRA. Para este inimigo da ULBRA eu peço. Que Deus tenha piedade e cuide dos nossos amigos. Porque dos nossos inimigos cuidamos nós.”

De outro lado, em novembro de 1999, a ULBRA e o Ministério Público Estadual do Rio Grande do Sul firmaram convênio com prazo indeterminado. O sequestrador de João Lippert, Tirone Lemos Michelin, assinou o convênio como procurador da ULBRA. Após isto, o Ministério Público Estadual moveu trinta e seis processos criminais contra o repórter João Lippert, dos quais trinta e quatro foram arquivados. A ULBRA e seus reitores na época, Eugen Eugen Becker, Leandro Eugênio Becker e Pedro Menegat, além do advogado Domingos Moreira Góes, também teria feito acordos com a Universidade Feevale em 1999 para impedir a implantação da Unidade de Ensino IESES Novo Hamburgo. A escola foi totalmente destruída por mais de oitenta homens.

Clique aqui e veja o convênio.