NOTÍCIAS PARA OS CINCO CONTINENTES

Canoas/RS, 12 de outubro de 2017.

QUEM É JOÃO ROSADO MALDONADO

Quando João Lippert estava implantando a Unidade de Ensino IESES na cidade de Sapucaia do Sul, João Rosado Maldonado, que era vice-presidente da CELSP, mantenedora da ULBRA, falou a João Lippert pessoalmente na Unidade de Ensino IESES Sapucaia do Sul, de seu interesse em colocar uma lanchria dentro da escola. João Rosado Maldonado já tinha uma lancheria na ULBRA campus Canoas.

Após ocorrer a extorsão mediante sequestro contra João Lippert, cometida por Tirone Lemos Michelin a mando dos reitores da ULBRA na época, segundo o próprio, Ruben Eugen Becker, Leandro Eugênio Becker e Pedro Menegat (leia o relato do sequestro), em uma reunião com João Rosado Maldonado e seu filho no gabinete de João Lippert na Unidade de Ensino IESES Sapucaia do Sul, João Rosado Maldonado forneceu a João Lippert o número de celular de Ruben Eugen Becker na época.


Ruben Eugen Becker - Leandro Eugênio Becker - Pedro Menegat - Tirone Lemos Michelin

João Lippert telefonou para Ruben Eugen Becker no mesmo momento e falou do sequestro cometido por Tirone Lemos Michelin e que o mesmo havia sido apontado como mandante do crime. Ruben Eugen Becker disse que estava em Brasília e que quando retornasse entraria em contato com João Lippert para esclarecer o fato. Contudo, Ruben Eugen Becker nunca entrou em contato com João Lippert e João Lippert nunca mais conseguiu ser atendido por Ruben Eugen Becker pelo número celular ou mesmo na ULBRA.

João Rosado Maldonado e seu filho deixaram a Unidade de Ensino IESES Sapucaia do Sul após João Lippert falar ao telefone com Ruben Eugen Becker e depois daquilo, João Lippert não mais conseguiu contato com João Rosado Maldonado.

Após, veio o embargo da Unidade de Ensino IESES Sapucaia do Sul.

João Lippert ainda procurou João Rosado Maldonado diversas vezes em sua lancheria na ULBRA, e o mesmo chegava ao ponto de se esconder para não falar com João Lippert. Razão pela qual o mesmo é suspeito de conivência com o crime de sequestro.

No ano de 2014, João Lippert encontrou João Rosado Maldonado ao sair do Hospital Universitário, onde realizou ecografia em relação à pedra na bexiga. Na ocasião, João Rosado Maldonado não teve como fingir que não viu João Lippert e nem teve como se esconder. João Lippert chamou o mesmo e com isto, João Rosado Maldonado disse que ficou sabendo que o "Becker" tinha dado uma rasteira em João Lippert em Sapucaia do Sul e saiu rindo.

Após este fato, João Lippert nunca mais falou com João Rosado Maldonado.

Contudo, após João Lippert denunciar o sequestro que sofreu ao Ministério Público (veja o documento) e a promotora Fernanda Ruttke Dillenburg simplesmente arquivar a denúncia em sete dias e ainda instaurar processo criminal contra João Lippert pela denúncia feita, João Rosado Maldonado foi colocado como vítima no processo (veja o documento), mas devido alegações de problemas de saúde do mesmo, João Rosado Maldonado foi retirado do processo e liberado de prestar esclarecimentos.


Fernanda Ruttke Dillenburg