Canoas, 13 de agosto de 2018.
(Atualizada em 14/09/2018)

PROPOSTA DE CONCILIAÇÃO EXTRAJUDICIAL PARA RUBEN EUGEN BECKER, LEANDRO EUGÊNIO BECKER
E PEDRO MENEGAT.

Ruben Eugen Becker, Leandro Eugênio Becker e Pedro Menegat, homens que mandaram sequestrar o diretor geral do Instituto IESES, João Lippert, segundo o sequestrador Tirone Lemos Michelin no ato do crime, devem à Fundação & Mantenedora TESES - Templo Ecumênico Sagrado Espírito Santo, mantenedora do Instituto IESES, a quantia de R$ 1,2 bilhões de reais pelo fechamento da Unidade de Ensino IESES Sapucaia do Sul em 1999, pela destruição da Unidade de Ensino IESES Novo Hamburgo em 1999, pelo impedimento da implantação da Universidade IESES em Glorinha em 1998, pelo impedimento da implantação da Unidade de Ensino IESES Gramado em 2005, pelo impedimento do show de Zezé Di Camargo & Luciano e implantação do Templo TESES também em Gramado em 2005, pela matéria caluniosa publicada no Jornal de Gramado em 1999 contra o IESES e João Lippert, e pela reintegração de posse indevida do imóvel em que residia João Lippert e sua família desde 1994 à Rua Peru 785 em Canoas. Leandro Eugênio Becker também é suspeito de ter ficado com o cheque emitido para a Rádio Pop Rock de Gramado para pagamento de divulgação do show de Zezé Di Camargo & Luciano que seria realizado pelo Fundação & Mantenedora TESES, já que Leandro era o diretor da rádio e a divulgação foi cancelada pela rádio e o cheque nunca devolvido.

 

Clique aqui e leia o relato da extorsão mediante sequestro que sofreu João Lippert em 23 de janeiro de 1999.

O sequestro que sofreu João Lippert, além de ser para impedir a implantação do Instituto IESES no Brasil, suspeita-se ter sido também uma vingança dos reitores da ULBRA na época, em razão da denúncia que fez João Lippert à Vigilância Sanitária em 1998, pelo derramamento de formol dos tanques de dessecação de cadáveres humanos e veterinários da ULBRA.

Clique aqui e leia a história de vida de João Lippert e os crimes e boicotes que sofreu.

Os hoje ex-reitores da ULBRA foram indiciados pela Polícia Federal por vários crimes, como lavagem de dinheiro, estelionato, falsidade ideológica, corrupção e irregularidades no ensino e outros, razão pela qual tiveram de deixar a ULBRA e vários bens foram penhorados e leiloados. Ruben Becker e sua filha Ana Becker Giacomazzi foram condenados em primeira instância por lavagem de dinheiro.

Clique aqui e leia as matérias sobre Ruben Eugen Becker.
Clique aqui e leia as matérias sobre Leandro Eugênio Becker.
Clique aqui e leia as matérias sobre Pedro Menegat.
Clique aqui e leia a matéria sobre a condenação de Ruben Becker e Ana Becker Giacomazzi.

A indenização pode ser paga à vista com 50% de desconto ou parcelada em valores e parcelas que deverão ser acordados entre as partes. Em qualquer das duas formas, deverá o devedor depositar 10% do valor total da indenização antecipadamente como prova de boa-fé.

Seguem abaixo os dados da conta bancária para pagamento da indenização e o e-mail para contato.
Agência: 3866-0 | Conta: 21266-0 | Titular: João Manoel Lippert | E-mail: joaomlippert@hotmail.com

Se os ex-reitores aceitarem esta proposta de conciliação extrajudicial, a Televisão TVS se eximirá de publicar nome e foto de Ruben Eugen Becker, Leandro Eugênio Becker e Pedro Menegat, bem como removerá nomes e fotos dos mesmos de todo e qualquer conteúdo em texto, imagem ou vídeo da Televisão TVS. Caso não aceitem a conciliação, os mesmos ainda podem ingressar na justiça para requerer remoção de seus nomes e fotos.


Clique aqui e leia a história de vida de João Lippert e os crimes e boicotes que sofreu.